Em um dos episódios do Globo Repórter do ano passado, foi relatado como vivem os habitantes de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Em 2015, fui um dos convidados (as despesas da viagem foram por minha conta) a participar de uma missão técnica em Abu Dhabi, Dubai e Singapura, realizada em setembro daquele ano. 

Em todas estas cidades realizamos visitas técnicas, com foco em sustentabilidade, mas meu sonho mesmo foi o de conhecer MASDAR CITY, que ainda está em construção no meio do deserto e que deve ser oficialmente entregue no ano de 2025, e deseja ostentar o título da cidade mais sustentável do mundo. Hoje, vou focar sobre MASDAR e tentar transmitir um pouco da construção desta cidade, da vanguarda que ela representa atualmente e da referência que será para o futuro.

História e localização 

 

A ideia de construir a Cidade de Masdar surgiu nos início deste século. Em 2005, era somente um projeto que teve início de fato em 2009. Em 2017, uma boa parte dela já está edificada e com moradores, eu tive a oportunidade de assinar digitalmente o registro de minha visita. 

A cidade ainda está em fase de construção no deserto árabe de Abu Dhabi. Seu  investimento, por parte do governo dos EAU, vai ultrapassar os US$ 30 bilhões e a conclusão total do projeto está prevista para 2025.   

Planejamento 


Para construir esta cidade no meio do deserto, foram realizadas várias pesquisas e muito planejamento, que começou pelas estruturas e materiais empregados nos edifícios da cidade. Engenheiros, arquitetos e especialistas em diversas áreas, de todos os lugares do mundo, fizeram uma série de análises levando em conta a orientação do espaço, principalmente no que diz respeito ao recebimento de luz solar e as incidência de ventos na região, sua morfologia e aspectos geológicos e quais aos melhores formatos que poderiam ser utilizados para lidar com o ambiente hostil do deserto. Com estes estudos foi possível buscar resultado positivos. Ao executar as construções,  foi possível reduzir as temperaturas da cidade sem utilizar muita eletricidade ou combustíveis fósseis, tendo como conseqüência economia e baixos custos. 

Com relação a fonte de energia, o instituto de ciência e tecnologia local, em parceria com o MIT, desenvolveu painéis fotovoltaicos mais potentes para a captação de energia solar. Além de toda a energia para o uso da população, ele também vai servir para realizar a dessalinização da água e geração de água quente.

Torre de refrigeração de Masdar


 O consumo de energia exclusivamente para o ar-condicionado sempre foi uma das dores de cabeça da região, devido ao consumo exagerado, onde cerca de 60% de toda a energia  gerada no EAU é usada para garantir conforto térmico. A resposta a este problema foi a torre eólica, que tem sido um elemento da arquitetura do Oriente Médio por quase mil anos. Segundo Ben Hughes, professor associado de construção de física na Universidade de Leeds, suas soluções são tão simples quanto eficazes. "Quanto mais alto você vai, mais rápida será a velocidade aerodinâmica", disse Hughes.

"Eles usam esta tecnologia para construir as torres o mais alto possível e assim capturar o ar em alta velocidade. Como o ar atinge a torre, há uma parede que corre abaixo do centro e força o vento para dentro do prédio". De acordo com Hughes, a ideia do design pequeno e leve é que, se você tem mais deles, você vai ter o mesmo efeito sem ter que pagar os custos estruturais de reforço adicionais.

Como os custos de energia em ascensão, soluções baseadas na ideia da torre de vento árabe, tornaram-se cada vez mais populares no design contemporâneo dos Europeus ao longo dos últimos 15 anos.

Nos países que deram origem ao conceito, como Dubai, onde o ar-condicionado agora responde por 70% do consumo de eletricidade no verão, a torre eólica está trazendo um retorno bem-vindo.

Masdar Institute of Science and Technology de Abu Dhabi tem um dos exemplos mais espetaculares de uma torre eólica moderna, usando o estilo vernacular das estruturas tradicionais como parte de uma torre de 45 metros que se resfria e ventila espaço público do campus.

Transportes 


A cidade já adota um sistema de transporte baseado em carros e ônibus elétricos autônomos, circulando no subsolo, além de manter linhas de trem e metrô para atender todos os pontos da cidade, evitando a necessidade da circulação de muitos veículos. Adicionalmente, como a cidade foi projetada para pedestres, houve uma grande preocupação em criar calçadas agradáveis, de tamanho adequado e com sombra.

Integração

A Cidade de Masdar possui uma arquitetura na qual tudo deve ser integrado, fazendo com que moradia, trabalho e diversão fiquem próximos um ao outro, evitando a necessidade de veículos. 

Para manter a cidade sustentável, também será realizada a educação da população com tais técnicas em escolas locais.


Da mesma maneira, os governantes procuram resolver problemas com lixo, encorajando mudanças no comportamento dos habitantes e regulando quais tipos de materiais poderão estar presentes na cidade.

Gil Koeddermann


COMENTE ESSA HISTÓRIA