Próxima fase será em Goiânia, de 18 a 20 de agosto

O paratleta de Camboriú Antonio Carlos Sanchez estreou com vitória na temporada de competições da Copa Brasil 2017 de Paraciclismo. Foram duas medalhas na categoria H2 só na 1ª etapa do campeonato, realizado em Indaiatuba (SP) no último final de semana, dias 3 e 4. O ouro foi na prova de estrada: uma corrida com a handebike (espécie de triciclo pedalado com as mãos); e a prata na prova de contra-relógio, em que ganha quem faz o menor tempo. O próximo desafio já está marcado para agosto, na 2ª etapa do brasileiro, em Goiânia.  

Antonio conhece bem essa disputa e conta que estava preparado. Campeão brasileiro de paraciclismo em 2015 e vice-campeão em 2016, ele ressalta que a dedicação agora é para buscar os melhores resultados nas etapas que estão por vir. "O objetivo é dar o meu máximo, treinar bastante para conseguir fazer uma boa temporada e buscar mais um título para a carreira", revela.  O atleta é o único representante de Camboriú na disputa do brasileiro.

A Copa Brasil de Paraciclismo conta com quatro etapas: a 1ª foi realizada em Indaiatuba (SP); a segunda será em Goiânia (GO) de 18 a 20 de agosto; a 3ª em Aracaju (SE) de 20 a 22 de outubro; e a última no Rio de Janeiro (RJ) de 1 a 3 de dezembro. A competição é dividida por categorias – conforme o grau de comprometimento de cada competidor e por modalidade de prova.

Uma vida dedicada ao esporte 

Antonio Carlos Sanchez, 38 anos, é um atleta de alto rendimento e não é por menos: sua rotina de treinos é de domingo a domingo e não se limita apenas ao paraciclismo. Na verdade, o sentido de limite é bem diferente para o atleta, que além do paraciclismo, também pratica e compete na natação – faz travessia no mar, tênis de campo e paratriathlon. 

"É puxado ser um atleta de alto rendimento, não é algo fácil, é preciso muita dedicação, superar seus limites, dar o máximo de si e ter uma ótima preparação para cada prova. Por isso não temos muitos paraciclistas profissionais no Brasil, são apenas oito na minha categoria", explica Antonio.  O atleta conta com o apoio da Fundação de Esportes que auxilia nas competições, mas ele ainda busca patrocínio para realizar o sonho de comprar uma bike em fibra de carbono e ganhar ainda mais velocidade nas provas.

Antonio não praticava esportes até sofrer um acidente de moto, há uns 17 anos, que o deixou tetraplégico.  "Depois do acidente, comecei a praticar vários esportes e isso mudou a minha vida. Não precisei nem mais fazer fisioterapia, tive uma evolução muito grande e rápida. Comecei com a natação, depois fui para o ciclismo e, agora, também pratico tênis de campo e tenho me preparado para começar a competir no paratriathlon", comenta entusiasmado.  


O que você achou desta notícia? Deixe sua opinião na seção de comentários abaixo.

Quer receber as notícias em primeira mão?

Participe do nosso canal no Telegram:

https://t.me/manchetedovale (@manchetedovale)


COMENTE ESSA HISTÓRIA

Exibir mais