Os barcos da Volvo Ocean Race partiram neste domingo (22), mas os velejadores deixaram mais uma vez um legado para as futuras gerações da vela itajaiense. De acordo com o presidente da Associação Náutica de Itajaí (ANI), Léo Felipe Amaral Senger, nesta edição duas equipes Akzonobel e a Vestas trocaram informações com velejadores da cidade.

“Tivemos a oportunidade das crianças da nossa escola de vela conhecerem a campeã olímpica Martine Grael, o barco e terem uma troca de informações e experiências. E a partir disso, a gente constata que é um caminho possível de ser trilhado por essas crianças para chegar no nível dessas velejadoras”, ressalta.

Além da troca de experiências com a equipe Vestas, a ANI recebeu a doação do poste de luz que foi adaptado como mastro para a equipe chegar a Itajaí. O problema ocorreu em 30 de março, a cerca de 160 quilômetros a sudeste das Malvinas. A tripulação viajou de automóvel até o arquipélago e começou a procurar materiais para construir um mastro de fortuna (termo usado na vela para a adaptação). "Eles nos proporcionaram a oportunidade de alguns integrantes nossos participarem das regatas com eles e ainda nos doaram depois de autografado o mastro improvisado que eles utilizaram para chegar até a nossa cidade", explica.

Segundo Senger, a ideia é transformá-lo em um mastro de bandeira e colocar na frente da associação com uma placa sobre a história dele para que a população de Itajaí possa se aproximar e entender motivo.

“O balanço desta edição da Volvo é extremamente positivo, pois além da troca de experiências, os atletas da nossa equipe de vela ficaram em primeiro lugar na disputa da Volvo Academy. Ficamos extremamente orgulhosos porque foi uma superação e demonstrou que a associação está fazendo um trabalho sério e que as crianças estão se dedicando e cada vez mais vamos evoluir e fazer a diferença no caminho dessas crianças", finaliza.

COMENTE ESSA HISTÓRIA

Exibir mais