Itajaí – No dia 30 de novembro (sexta-feira), das 8h às 12h, haverá atendimento clínico e exame de coleta de PSA, gratuitos, na Unidade de Saúde Familiar e Comunitária (USFC), no bloco F7, da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Campus Itajaí. A ação integra a campanha Novembro Azul, com foco no diagnóstico precoce, na orientação e no rastreamento do câncer de próstata. Serão distribuídas fichas aos primeiros homens que buscarem atendimento.

A cada hora, sete homens recebem o diagnóstico de câncer de próstata no Brasil. Trata-se do tumor mais incidente no homem (excluindo-se o câncer de pele não melanoma) e mata cerca de 20% dos pacientes. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Brasil, estimam-se 68.220 casos novos de câncer de próstata para cada ano do biênio 2018 e 2019. Esses valores correspondem a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens.

Para orientar a população, em concordância e apoio à campanha da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) em mais uma edição do Novembro Azul, a Univali promove esta ação.  Os exames e atendimentos estarão sob responsabilidade dos professores de Urologia do curso de Medicina da Univali - Gilberto Laurino Almeida, Wilson Francisco S. Busato Junior e Sebastião Almeida Westphal, com participação do Ambulatório de Urologia e dos acadêmicos do curso de Medicina da Universidade.

"Hoje em dia não é mais o preconceito com o exame da próstata que afasta o homem do consultório médico, mas sim o medo de ser diagnosticado com a doença. No entanto, atualmente existem tratamentos conservadores indicados em casos de doença de baixa agressividade, nos quais não vamos realizar nenhum procedimento, apenas acompanhar a evolução da doença com exames periódicos", afirma o médico urologista e professor Sebastião Westphal, presidente da SBU.

Quem deve procurar atendimento?

A recomendação da SBU é para que homens a partir de 50 anos procurem um profissional especializado, para avaliação individualizada. Homens da raça negra ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata devem começar aos 45 anos. Além do histórico familiar e da raça, a obesidade e o sedentarismo também são considerados fatores de risco. O rastreamento realiza-se após ampla discussão de riscos e potenciais benefícios, em decisão compartilhada com o paciente. Após os 75 anos, poderá ser realizado apenas para aqueles com expectativa de vida acima de dez anos.

Como são feitos os exames?

A análise da próstata é feita pela dosagem do PSA no sangue juntamente com o exame de toque. "Um exame não exclui o outro, já que é possível ter PSA aumentado e não ter a doença ou tê-lo normal e ter a doença. O PSA também pode aumentar no caso de prostatite e hiperplasia prostática benigna. Há casos ainda em que ele não se altera mesmo com o câncer em curso", explica o médico e professor Gilberto Almeida.

Mais informações: (47) 3341-7788, na Unidade de Saúde Familiar e Comunitária (USFC) da Univali | (47) 98419-1719, com o médico urologista e professor Gilberto Laurindo Almeida.


O que você achou desta notícia? Deixe sua opinião na seção de comentários abaixo.

Quer receber as notícias em primeira mão?

Participe do nosso canal no Telegram:

https://t.me/manchetedovale (@manchetedovale)

Entre em contato também pelo WhatsApp: (47) 9 9969-1277


COMENTE ESSA HISTÓRIA