As atividades iniciaram na última semana e tem previsão de serem concluídas em dois meses. A iniciativa de reativar o atrativo do prédio centenário é da Fundação Cultural do Município.

O Mercado Público Velho de Itajaí abriga no centro do seu pátio interno um importante elemento característico da arquitetura européia do prédio histórico – o chafariz. Com características de construções ibéricas, a peça foi construída artesanalmente pelo imigrante Luigi Collares, no mesmo ano de fundação da edificação. O chafariz chegou a passar por uma restauração, mas parou de funcionar em 2013 devido a problemas hidráulicos.

Para recuperar o objeto e suas esculturas, a empresa de conservação e restauração “Ateliê Ventos do Norte”, do Rio de Janeiro (RJ), foi contratada para realizar as obras. Além do restaurador, Oyama Achcar Pancotti, outras quatro pessoas trabalham no projeto de restauro. O investimento é de R$ 21.580,00.

“É de suma importância fazer esse restauro. O chafariz está na história do Mercado Público e da colonização da cidade, vai deixar o local ainda mais atrativo”, comenta o superintendente administrativo das Fundações, Normélio Pedro Weber.

Durante dois meses, a peça histórica passará por higienização, decapagem mecânica e química total, remoção dos trechos em desprendimento e de intervenções inadequadas. Também será feito o conserto de fissuras e rachaduras, análise do sistema hidráulico, reconstruções volumétricas, testes de bomba hidráulica, acabamentos, pintura e desmobilização.

Patrimônio histórico

O Mercado Público Velho foi tombado pelo patrimônio histórico municipal em 1998, e pelo estadual em 2001. Ao longo de décadas, o local se tornou ponto de encontro para saborear comidas típicas com frutos do mar. Outro fator característico é a venda do artesanato local com produtos feitos em palha, cerâmica e madeira. O prédio histórico também dá espaço para as apresentações de artistas e músicos locais que animam o público que frequenta o ambiente.



COMENTE ESSA HISTÓRIA