O Município de Itajaí, juntamente com o Governo do Estado e líderes comunitários, vistoriou parte da rodovia Antonio Heil na manhã deste sábado (03). Moradores e administração municipal estão preocupados com a duplicação nos aspectos de segurança e acesso às comunidades rurais. A Secretaria de Estado da Infraestrutura deve apresentar alternativas à comunidade em até 30 dias.

De acordo com o prefeito Volnei Morastoni, o desafio é construir soluções nas áreas mais urbanas da rodovia, inclusive com redução do limite de velocidade e travessias para pedestres. “Precisamos resolver o dia a dia das pessoas às margens da Antonio Heil. Temos comércios, escolas e moradores nos dois lados da rodovia. Além disso, a cidade tem crescido nessa região e precisamos garantir toda a segurança à população”, reforça.

O secretário-adjunto de Estado da Infraestrutura, Paulo França, e técnicos responsáveis pela obra acompanharam o prefeito na vistoria. Eles tomaram nota de cada uma das reivindicações da comunidade ao longo dos 21 quilômetros da rodovia em Itajaí. O governo catarinense, responsável pela obra, deverá apresentar em até 30 dias projetos com alternativas para as pessoas cruzarem a rodovia com segurança.

“O Município tem insistentemente solicitado ao Governo do Estado para garantir que essa obra tão importante não prejudique as famílias itajaienses e o desenvolvimento da região”, reforça o secretário de Relações Institucionais e Temáticas, Thiago Morastoni.

A conclusão das obras de duplicação está prevista para o final deste ano, com um investimento do Governo do Estado na ordem de R$ 146 milhões.

A força do apelo popular e da iniciativa do Município de Itajaí já deu resultados na região da Itaipava. O Governo do Estado iniciou as adaptações emergenciais nas proximidades da Escola Estadual Monsenhor Vendelino Hobold, às margens da rodovia Antonio Heil. Sinalização horizontal e semáforo com botoeira (acionado manualmente pelo pedestre) são medidas conquistadas para garantir o tráfego seguro de pedestres ainda neste mês de março.

COMENTE ESSA HISTÓRIA