Enquanto o sistema se propaga pelo oceano, o céu segue nublado, as temperaturas caem e até o final do dia, e a sensação de frio aumenta. Ocorrem períodos de chuva fraca e, até o decorrer da madrugada desta segunda-feira (31), deve garoar na maior parte do estado. No entanto, os estados de Santa Catarina e do Paraná seguem com condições de tempo firme até o final do domingo, exceto apenas para o sudeste do estado de Santa Catarina, onde chove fraco a moderado com muita nebulosidade.

Um sistema de alta pressão atmosférica se posiciona ao sul do Uruguai nesta segunda (31). Ele direciona os ventos para sudeste, soprando do oceano para as costas dos três estados sulistas e a circulação em médios níveis da atmosfera favorece a formação de instabilidades. Os ventos sopram moderados a fortes, variando entre 30 e 60 km/h, principalmente entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A nebulosidade aumenta entre o leste do Paraná, até o centro e leste de Santa Catarina e em todo território Gaúcho, inclusive nas capitais. Acontecem períodos de chuva forte entre a tarde e noite no Sul, na Campanha e no litoral Gaúcho e chuva moderada entre os litorais Catarinense e Paranaense. Garoa na porção central Gaúcha e no norte do estado a nebulosidade aumenta, mas o tempo fica estável. No oeste de Santa Catarina e nas demais áreas do Paraná faz sol e a temperatura fica elevada no período da tarde.


Formação de um forte sistema de baixa pressão atmosférica

Um ciclone, também conhecido como um sistema de baixa pressão atmosférica, se forma nesta quarta-feira (02) à noite na costa do Uruguai e causa a formação de áreas de instabilidade. Além da chuva no estado do Rio Grande do Sul, os ventos se intensificam associados ao sistema, e rajadas fortes devem ocorrer entre o litoral e a serra de Santa Catarina até o sul Gaúcho. Os valores mais altos previstos variam entre 50 e 85 km/h, mas ainda podem acontecer rajadas moderadas de vento, de até 50 km/h, na faixa leste, mais afastadas da faixa litorânea.

Há previsão de chuva forte e volumosa na Campanha Gaúcha, nas áreas próximas do Chuí e ao sul da Laguna dos Patos. Nas demais áreas do Rio Grande do Sul também deve chover, com volumes menos elevados, mas ainda com períodos de chuva moderada a forte e rajadas de vento moderadas que devem variar entre 30 e 50 km/h. Estas instabilidades também devem abranger a faixa leste do estado de Santa Catarina e do Paraná, onde a nebulosidade persiste ao longo do dia e chove moderado principalmente entre a madrugada e a tarde. Além disso, o sol ainda deve predominar e a temperatura segue elevada na parte da tarde, entre o centro e oeste de Santa Catarina e no interior do Paraná.


Formação e deslocamento de uma nova Frente Fria

Conforme o sistema de baixa pressão se aprofunda (diminui seus valores de pressão atmosférica) e desloca para sudeste, ele dá origem a uma frente fria na quinta-feira (03). A frente fria avança entre a costa do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, enquanto o sistema de alta pressão na Argentina se move para o Rio Grande do Sul da manhã até o período da noite.

Áreas de instabilidade associadas à frente fria e ao ciclone se formam entre o litoral, centro e norte do Rio Grande do Sul. Acontecem pancadas de chuva moderadas a fortes desde o começo do dia. Estas instabilidades avançam, causando chuva entre a tarde e noite e bandas de nuvens carregadas se formam nos estados de Santa Catarina e do Paraná. Como o dia começa com sol nos territórios catarinense e paranaense, a temperatura fica elevada na parte da tarde, mas com a ocorrência das pancadas de chuva e o aumento da nebulosidade, a sensação de calor diminui até o final do dia. A chuva em ambos estados acontece de forma menos generalizada, se comparada à chuva que ocorre no Rio Grande do Sul, porém ainda há risco de chuva forte e de descargas atmosféricas.


Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.


COMENTE ESSA HISTÓRIA