Amanda Oliveira/GovBA

O Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todas as riquezas produzidas no país, fechou o terceiro trimestre de 2017 com alta de 0,1% na comparação com o segundo trimestre, na série ajustada sazonalmente. Foi a terceira alta consecutiva. Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, o crescimento do PIB foi de 1,4%.

Com o resultado do terceiro trimestre do ano, o PIB - em valores correntes - atingiu R$ 1,641 trilhão no terceiro trimestre de 2017 no acumulado do ano, sendo R$ 1,416 bilhões referentes ao valor adicionado e R$ 225,8 bilhões dos impostos sobre produtos líquidos de subsídios.

Os dados fazem parte das contas trimestrais referentes ao terceiro trimestre do ano e foram divulgados nesta seman, no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com o resultado, o PIB acumulado nos quatro últimos trimestres, no entanto, continua negativo, fechando em 0,2% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

Com o resultado do terceiro trimestre, o PIB fecha os primeiros nove meses do ano com um crescimento acumulado de 0,6%, em relação a igual período de 2016.

Economia estabilizada

O ligeiro crescimento de 0,1% do PIB do segundo para o terceiro trimestre do ano reflete uma economia praticamente estabilizada, segundo mostram os dados. O resultado foi influenciado principalmente pelo setor de serviços, que cresceu em relação ao segundo trimestre 0,6%, menor do que os 0,8% relativo à indústria, mas cujo setor chega a responder por 73,3% da economia brasileira. Já a agropecuária, por sua vez, fechou negativa em 3%, quando comparado ao trimestre imediatamente anterior.

Quando analisada isoladamente, a indústria registrou crescimento em praticamente todas as atividades: 1,4% nas indústrias de transformação e variação positiva de 0,2% nas indústrias extrativas. As demais mantiveram-se praticamente estáveis.

Em serviços, apresentaram resultado positivo o comércio (1,6%), as atividades imobiliárias (0,9%), as outras atividades de serviços (0,2%) e a administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,2%). Já as outras atividades financeiras registraram estabilidade.

Investimentos crescem após 15 trimestres

Os dados das contas nacionais divulgados indicam que os investimentos (formação bruta de capital fixo) cresceram 1,6% do segundo para o terceiro trimestre do ano, registrando o primeiro resultado positivo após 15 trimestres seguidos de queda ou estabilidade.

Já o consumo das famílias cresceu 1,2% nesta comparação e o consumo do governo fechou este terceiro trimestre com queda de 0,2%.

Segundo o IBGE, a taxa de investimento no terceiro trimestre do ano foi equivalente a 16,1% do PIB, pouco abaixo da observada no mesmo período do ano anterior (16,3%). Já a taxa de poupança foi de 15,2% (ante 14,9% no mesmo período de 2016).

O que você achou desta notícia? Deixe sua opinião na seção de comentários abaixo.

Quer receber as notícias em primeira mão?

Participe do nosso canal no Telegram:

https://t.me/manchetedovale (@manchetedovale)

Entre em contato também pelo WhatsApp: (47) 9 9969-1277


COMENTE ESSA HISTÓRIA

Exibir mais