Os Museus Histórico e Etno-Arqueológico de Itajaí integram a programação da 15ª Semana Nacional de Museus. As atividades serão realizadas de 15 a 20 de maio com base no tema “Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”. Com uma programação incluindo exposições, mesas redondas e apresentações artísticas, o foco será dado à ocupação negra no município e ao empoderamento da mulher rural.


Para além das histórias ditas como oficiais, construídas a partir das relações de poder, há aquelas controversas, originárias da história oral. Quais histórias os nossos museus têm contado? Quais outras precisam ser lembradas? A partir desta pauta de política nacional, a Fundação Genésio Miranda Lins traz ações relevantes para os dois equipamentos culturais e históricos do município.


O Museu Histórico receberá duas exposições com visitação gratuita: “Carne e Pedra: Simeão e a formação da Igrejinha da Imaculada Conceição” retrata a escravidão, relações étnicas, religiosidade e desenvolvimento urbano de Itajaí nos séculos 19 e 20. Por meio de objetos históricos, a exposição evidencia a ocupação urbana dos negros no município, tendo como eixo a expansão territorial e a importância da religiosidade no cotidiano dos habitantes.


Outra exposição é “Meio Oxóssi, Meio Oxum”. Por meio de fotografias, o artista visual Henry Goulart redescobre sua latente religiosidade de matriz africana e dialoga a relação da natureza com os orixás.


“Por tempos, foi recorrente nos museus a seleção e a guarda de objetos representativos das memórias das chamadas classes dominantes. Isso provocou esquecimentos e uma lacuna no acervo de peças que expressam os feitos daqueles cuja história oficial silenciou. As presenças africanas em Itajaí são um exemplo disso e discutir isso é fundamental para a construção da história do nosso município”, destaca Evelise Moraes Ribas Wiersinski, diretora do Museu.


Como os museus também são espaços de estudo, pesquisa, educação, contemplação, lazer e diálogos, a programação inclui uma mesa debate sobre o tema “Etnias e religiosidade na formação urbana de Itajaí”.  A atividade no dia 15 de maio, das 19h às 22h, terá representantes do Curso de Licenciatura em História da Univali, do Movimento Negro em Itajaí, pesquisadores e artistas para discutir os temas abordados nas exposições.


A temática também sairá das quatro paredes e ecoará pela praça Arno Bauer com o sarau “Poesia, negritude e resistência”. No dia 19, artistas e poetas locais vão declamar poemas e obras de artistas negros brasileiros. 


Empoderamento das mulheres rurais


Elas sofrem com o preconceito, a desigualdade de gênero e com tantos outros problemas que herdaram da vida. Com o desafio de dar visibilidade à mulher rural itajaiense e ao trabalho que desempenha para o desenvolvimento socioeconômico e sustentável, o Museu Etno-arqueológico de Itajaí volta a sua atenção à vida no campo.


“O não dito no lavoro: mulheres na vida rural” é uma exposição composta por peças dos acervos pessoais das mulheres do campo. “A mostra retrata o protagonismo feminino no mundo rural como espaço de trabalho e sustentabilidade. É urgente valorizarmos o papel das mulheres na sociedade, independentemente do local onde residem e dos papéis sociais que ocupam”, avalia Evelise.


Uma roda de memórias no dia 16 de maio, às 19h, vai resgatar a história oral e as memórias do cotidiano das mulheres no mundo rural. O encontro é aberto ao público e será mediado por um historiador.  Segundo a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), mais de 14 milhões de mulheres estão nas lavouras como protagonistas da agricultura familiar no Brasil, sendo que 45% dos produtos são plantados e colhidos pelas mãos femininas.


No dia 20 de maio, a cantora Bárbara Damásio apresentará, na praça do Museu Atno-Arqueológico, um repertório de sambas especialmente dedicado às mulheres, falando de feminilidade, força, trabalho, amor e alegria. O espetáculo é aberto ao público e gratuito.


Programação Museu Histórico de Itajaí


15 de maio | segunda-feira


Atividade: Abertura da Exposição “Carne e Pedra: Simeão e a formação da Igrejinha da Imaculada Conceição”

Local: Térreo do Museu Histórico de Itajaí

Horário: 18h

Valor: Gratuito

Classificacão: Livre

Sinopse: Escravidão, relações étnicas, religiosidade e desenvolvimento urbano de Itajaí nos séculos 19 e 20. Retrata por meio de objetos históricos a ocupação urbana dos negros em Itajahy, tendo como eixo a expansão da cidade e a importância da religiosidade no cotidiano dos habitantes.

Duração: 15 de maio a 31 de agosto de 2017


Atividade: Abertura da Exposição “Meio Oxóssi, Meio Oxum”

Local: Térreo do Museu Histórico de Itajaí

Horário: 18h

Valor: Gratuito

Classificacão: Livre

Sinopse: Por meio de fotografias, o artista visual Henry Goulart redescobre sua latente religiosidade de matriz africana e dialoga a relação da natureza com os orixás.

Duração: de 15 de maio a 31 de agosto de 2017


Atividade: Mesa Debate - Etnias e religiosidade na formação urbana de Itajaí

Local: Museu Histórico de Itajaí

Horário: 19h30 às 22h

Valor: Gratuito

Classificacão: Livre

Sinopse: A atividade terá representantes do Curso de Licenciatura em História da UNIVALI, do Movimento Negro em Itajaí, pesquisadore e artistas para discutir os temas abordados na exposição.


19 de maio | sexta-feira


Atividade: Sarau - Poesia, negritude e resistência

Local: Praça Arno Bauer / área externa do Museu Histórico de Itajaí

Horário: 18h

Valor: Gratuito

Classificacão: Livre

Sinopse: Sarau literário com artistas e poetas locais, declamando poemas e obras de artistas brasileiros negros.


Programação Museu Etno-Arquelógico


16 de maio | terça-feira


Atividade: Abertura da Exposição “O não dito no lavoro: mulheres na vida rural”

Local: Museu Etno-arqueológico

Horário: 18h

Valor: Gratuito

Classificacão: Livre

Sinopse: Composta por peças dos acervos pessoais das mulheres do campo, a exposição retrata o protagonismo feminino no mundo rural como espaço de trabalho e sustentabilidade. Dialoga com os diferentes saberes e fazeres locais para valorizar o papel das mulheres na sociedade, independentemente do local onde residem e dos papéis sociais que ocupam.

Duração: de 15 de maio a 31 de agosto de 2017


Atividade: Mesa Redonda - Roda de memórias

Local: Museu Etno-arqueológico

Horário: 19h

Valor: Gratuito

Classificacão: Livre

Sinopse: Encontro mediado por historiador com as personagens da exposição “O não dito no lavoro”. Registro da história oral e das memórias do cotidiano dessas

mulheres no mundo rural.


20 de maio | sábado


Atividade: Espetáculo musical Samba de Bárbara

Local: Praça do Museu Etno Arqueológico de Itajai

Horário: 19h30

Valor: Gratuito

Classificacão: Livre

Sinopse: A cantora Bárbara Damásio apresenta um repertório de sambas especialmente dedicado às mulheres, falando de feminilidade, força, trabalho, amor e alegria.

COMENTE ESSA HISTÓRIA