Empresários e investidores do ramo náutico estiveram reunidos nesta quarta-feira (29), em Florianópolis, durante um workshop que tratou de temas voltados especialmente para a economia do mar. O mercado, que movimenta R$ 5 bilhões anuais no Brasil, está em expansão especialmente em Santa Catarina – o estado é o principal produtor do segmento no país, seguido por São Paulo e Rio de Janeiro.

O diretor geral do TMC, Álvaro Ornelas, destacou diferentes características sobre a economia do mar e explicou, ainda, os quatro pilares que sustentarão o projeto na região de Tijucas: indústria, turismo, comércio e serviços. "Existe uma carência desse tipo de atendimento no Brasil, um local onde o consumidor, cliente ou investidor encontra tudo o que é necessário em um mesmo espaço. É uma cadeia de negócios que necessita de espaço físico, e é isso que apresentamos com o TMC", comenta.

Ainda conforme o diretor, o projeto segue os direcionamentos de produtos e serviços que já existem em países desenvolvidos, como na Itália por exemplo. "Nos espelhamos no que já existe na Europa e percebemos que é possível trazer estas iniciativas para Santa Catarina. São polos náuticos completos que oferecem o melhor do segmento, e é isso que desejamos para a nossa região", comenta.

Além dos quatro pilares que são fundamentais para o TMC, o projeto também tem foco na conversação do mar, já que a preservação é fundamental para o setor. O conceito é de ser um projeto completamente inovador para o Brasil, um ecossistema de negócios, conservação ambiental e uma economia voltada para o mar e para o latente potencial náutico de Santa Catarina.

Durante a tarde, o presidente da Azimut Brasil, Davide Breviglieri, também falou sobre o cenário de negócios e a expectativa da empresa em relação a esta iniciativa. "Esta é uma grande oportunidade que nasce em Santa Catarina, surge com uma visão planejada e estratégica", afirma. "O projeto reúne todos os elementos náuticos necessários para um case de sucesso. Estamos olhando atentamente para isso, existe um diálogo sobre o assunto e oferecemos o apoio autêntico para o melhor do empreendimento", completa.

Alguns lançamentos da marca foram apresentados durante o workshop, como o Verve 40, uma embarcação de aproximadamente vinte metros e fabricada artesanalmente, rica nos detalhes. Além deste, também foi apresentado um iate de 95 pés, atualmente em fabricação em Itajaí.

"A Europa tem uma tradição consolidada, uma história importante do segmento que vai muito além do mercado de luxo. É também investir e transformar a comunidade, que cresce junto com o mercado, oferecendo qualificação e especialização na mão de obra. E isso percebemos neste projeto, aproveitar os pontos positivos que derem certo em outros países e aprender com o que não funcionou, fazendo diferente", completa o presidente.

Para alavancar ainda mais os negócios náuticos, o deputado estadual Gabriel Ribeiro, falou sobre uma iniciativa que existe para auxiliar na regulamentação do segmento. O deputado, que também é presidente da Frente Parlamentar para o Desenvolvimento do Setor Náutico de Santa Catarina, esclareceu sobre o projeto de lei nº 1387/2017, que vem tramitando e busca uma segurança e embasamento jurídicos para os investidores e o setor como um todo.

"Existe um intenso potencial de crescimento no estado. Santa Catarina possui 500Km de costa, são mais de 30 estaleiros e dois mil empregos diretos. Ou seja, um cenário amplo e ainda há espaço para expansão" completa. Ainda sobre o projeto de lei, Gabriel encerra afirmando que iniciativas como esta oferecem ainda mais credibilidade aos negócios do mar e fortalecem a imagem do país para empresas internacionais.

 Sobre o empreendimento

 O Tijucas Mariner Center (TMC) carrega o conceito "smart sea", que visa criar um espaço de convivência e produção relacionado exclusivamente ao mar. De acordo com Ornelas, o complexo será desenvolvido com base no conceito da Lauderdale Marine Center – principal marina de reparação de iates da América do Norte, localizada na Florida (EUA) – para oferecer a mais moderna e eficiente estrutura de serviço náutico para embarcações de lazer da América Latina. 

A construção do Tijucas Marine Center será feita em cinco etapas. A primeira fase da implantação, programada para iniciar no primeiro trimestre de 2018, preparará a área para receber investimentos da indústria e de empresas que comercializam produtos náuticos, com a estruturação de um total de 137 terrenos com metragens de 1 mil a 30 mil metros quadrados. A previsão é que esta primeira fase seja finalizada em 24 meses. 

Quando concluído, o TMC gerará 4 mil empregos diretos, grande parte mão de obra especializada com formação nos cursos oferecidos no próprio complexo. Segundo o empresário, o empreendimento foi projetado para atender as principais demandas do mercado em relação à economia do mar de Santa  Catarina e do Brasil. "O propósito é potencializar a indústria náutica, o comércio, os serviços e o turismo náutico em um único espaço, criando um conceito de 'one stop point' e gerando um ecossistema de negócios totalmente voltado ao potencial náutico do litoral do Brasil", destaca Ornelas. 

O que você achou desta notícia? Deixe sua opinião na seção de comentários abaixo.

Quer receber as notícias em primeira mão?

Participe do nosso canal no Telegram:

https://t.me/manchetedovale (@manchetedovale)

Entre em contato também pelo WhatsApp: (47) 9 9969-1277


COMENTE ESSA HISTÓRIA